“Entregue os medicamentos fora de uso e trate do Ambiente” é o mote utilizado na nova campanha entre a Valormed, empresa de gestão de resíduos de embalagens e medicamentos fora de uso, e a Quercus. Esta iniciativa surge no ano em que se comemora o Ano Internacional das Florestas, tendo como principal objetivo a reflorestação no Parque Natural do Alvão, mas também a valorização e recuperação do património ambiental.

Esta campanha pretende alertar para a necessidade de um correto uso das embalagens vazias e de medicamentos fora de uso, mas também estimular uma maior preocupação pelo meio ambiente, nomeadamente no que toca à proteção das florestas. “Trata-se de um projeto que prevê a criação de condições para manter pequenos bosques na serra do Alvão. Prevemos cuidar de cerca de 20.000 árvores nos próximos três anos”, afirmou Paulo Lucas, dirigente da Quercus.

A Valormed, que apoia financeiramente esta iniciativa, efetua recolha e aconselhamento ao público em mais de 2800 farmácias que aderiram a esta causa. Assim, todas as embalagens recolhidas passam por um processo de triagem e são posteriormente recicladas, diminuindo a utilização de novas árvores e consequentemente abrandando o impacto negativo destes resíduos no meio ambiente. “A resposta dos cidadãos é positiva, pois sentem que ao terem um adequado procedimento ambiental de entrega de embalagens de medicamentos fora de uso nas farmácias estão igualmente a contribuir para outro projeto ambiental de reflorestação do Parque do Alvão, sendo que a reflorestação de qualquer área florestal tem um impacto positivo a médio prazo na vida das populações que habitam essa zona”, disse José Carapeto, diretor geral da Valormed.

No ano em que se celebra a biodiversidade das florestas, esta campanha ambiciona alertar para a necessidade de uma correta gestão das embalagens vazias e dos medicamentos fora de uso, desenvolvendo uma maior consciência, não só no que diz respeito à importância da reciclagem, mas também na importância da  preservação e conservação das florestas. “Trata-se de contribuir para que estes pequenos bosques no futuro possam produzir serviços de que todos necessitamos: sequestro do carbono, regulação do ciclo da água e do ciclo dos nutrientes, regulação climática, preservação da biodiversidade local, produção de madeira, etc”, explicou Paulo Lucas.

A reflorestação começará nos concelhos de Vila Real e Vila Pouca de Aguiar, sendo que esta última recebeu já as primeiras 400 árvores no dia 23 de novembro. As árvores foram plantadas com o apoio de cerca de 50 crianças de duas escolas do 1º ciclo de Vila Real e Vila Pouca de Aguiar, acompanhadas por técnicos da Quercus. Já durante o período da tarde realizaram-se sessões de informação e esclarecimento nas escolas sobre a importância de atividades desta dimensão. “Esta iniciativa mostra que é possível, com o envolvimento de todos e com parcerias ter uma eficácia para a melhoria da nossa floresta”, explicou Duarte Marques, do gabinete de apoio ao agricultor da Câmara Municipal de Vila Pouca de Aguiar.

Até ao ano de 2013, quem aderir a esta campanha e entregar os medicamentos fora de uso nas farmácias, estará a ajudar a construir um futuro melhor, ou pelo menos mais “respirável”.