A União de Sindicatos de Vila Real (USVR) está a preparar uma“Ação de Rua” que decorrerá amanhã, dia 24 de novembro, junto ao Pelourinho, na Avenida Carvalho Araújo, numa concentração de trabalhadores, que tem como principal objetivo alertar os trabalhadores e a população do distrito de Vila Real para os problemas que a crise portuguesa está criar.

A realização desta ação coincide com a data da greve geral que será feita por todo o país, devido às medidas de austeridade anunciadas pelo Governo e que desencadearam a reação da central sindical. Também a União de Sindicatos de Vila Real, quer lutar contra as medidas tomadas pelo governo. António Serafim, coordenador da União dos Sindicatos de Vila Real, afirma que “os trabalhadores do nosso distrito e a esmagadora maioria da população portuguesa vem perdendo, ano após ano, valor real nos seus salários e grande parte das famílias trabalhadoras não consegue fazer face às necessidades prementes do dia-a-dia. O programa executado pelo governo PSD/CDS-PP é uma verdadeira declaração de guerra aos trabalhadores portugueses e às suas condições de vida, com novas e brutais medidas de ataques aos seus rendimentos, bem como aos dos reformados e pensionistas”.

O distrito de Vila Real regista hoje mais de 11.873 desempregados, sendo este o principal problema para a USVR. Apenas 34,9% dos desempregados conseguem ter direito a subsídio de desemprego, enquanto que o número de desempregados sem prestações de desemprego é de 65,1%. Para o coordenador da União dos Sindicatos de Vila Real “fazer greve geral no próximo dia 24 de novembro é fazer um investimento no presente e no futuro. Na defesa dos direitos sociais e laborais e na salvaguarda dos direitos dos mais jovens e das futuras gerações”.

A “Ação de Rua”, que o António Serafim espera ter uma boa adesão por parte dos vila-realenses, tem como principais objetivos lutar “contra o violento ataque à dignidade de quem trabalha; contra a exploração e o empobrecimento; pelo crescimento económico, emprego com direitos; e lutar pela renegociação da dívida, contrariando o programa de agressão aos trabalhadores, ao povo e ao País”, referiu. Acrescentou ainda que vão combater “o despedimento sem justa causa evocando razões de inadaptação; a redução drástica da antiguidade e do valor das indemnizações por despedimento; a desregularia dos horários de trabalho para pôr os trabalhadores a trabalhar mais e a receber menos; o corte do subsídio de Natal deste ano a todos os trabalhadores e aos reformados e pensionistas; a retirada dos subsídios de férias e de Natal, em 2012 e 2013, aos trabalhadores da Administração Pública e do Setor Empresarial do Estado, bem como aos reformados e pensionistas do Estado e do regime geral, que aufiram mais de 1.000€ brutos; o corte já magro do subsídio de desemprego”.

As soluções para o distrito de Vila Real passam sobretudo na aposta do desenvolvimento regional, mas também pelo aproveitamento dos recursos e potencialidades existentes, dos meios naturais e histórico-culturais. “Para um desenvolvimento sustentável e harmonioso, o distrito tem que dar particular atenção a setores e atividades económicas como o setor agrícola/vitivinícola e à região demarcada do Douro, bem como ao turismo, ao comércio tradicional, à atividade pecuária e indústria extrativa”, contou o coordenador da USVR.

Pretende-se, assim sensibiliar os trabalhadores para a greve geral do próximo dia 24 de novembro. A concentração, para a “Ação de Rua” começará às 15 horas, sendo que às 18horas se realizará  uma assembleia popular.