A palavra “cultura” vem do latim e tem como uma das suas possíveis traduções “cuidar” e é exactamente isso que não estamos a fazer. Apesar de vivermos na dita era da mundialização e termos mais facilidade no acesso à universalidade (nomeadamente à cultura), não queremos aproveitar esta dádiva. Se calhar é mesmo esse o problema: ter tanta facilidade no acesso. O povo português costuma dizer que só sabemos dar valor a algo quando perdemos essa coisa e, pelos vistos, é isso que nos está a acontecer. Contudo, às novas tecnologias já damos valor. Quem não preferia ter um computador de último grito a um bilhete para um concerto em Londres? Sejamos sinceros.
Isto é um problema de mentalidades e valores que a nossa sociedade atravessa. O mundo gira à volta da economia e parece que nada mais importa, nem as coisas que nos poderiam dar prazer e fazer-nos esquecer essa realidade cruel. Supostamente, a cultura serve não só para ocupar os nossos tempos livres, mas também para nos ensinar mais acerca do nosso mundo. No entanto, julgo que pensamos, todos, que a internet já tem cultura mais do que suficiente.
Tudo isto é culpa da mundialização, pois esta não é só um fenómeno apenas a nível económico, mas também a nível cultural. Foi imposta uma cultura um pouco diferente da que chamávamos de cultura. A cultura americana exerce uma grande influência mundial, note-se por exemplo na música, no cinema, na economia, na informática, etc. e sendo um país com um enorme poder económico, falamos também de uma nação que consegue impor a sua cultura a nível mundial. Quem tem dinheiro, tem mais meios para desenvolver esta área.
A verdade é que também a própria cultura gira à volta da economia. Hoje em dia, são poucas as instituições culturais que nos oferecem os programas grátis. Não deixa de ser curioso porque é que os jovens, por exemplo, pagam um balúrdio numa discoteca e não pagam um valor simbólico para visitar um museu? É, sem dúvida, uma questão de valores; valores esses que nos são transmitidos e ensinados desde pequenos sobretudo pelos media.
A nossa sociedade enfrenta assim um grande problema de mentalidade que é necessário mudar, começando pelos mais novos. Os meios de comunicação e os políticos deveriam ser os primeiros a tomar medidas para mudar esta situação, uma vez que são os que detêm mais meios e são os principias causadores desta mundialização da cultura.