“De uma maneira sistemática, mas não exclusiva, poderíamos descrever as principais características dos jornais on-line em torno de alguns vectores fundamentais: interactividade, ou seja, a possibilidade de o receptor participar e interagir com o jornal e até de noticiar e funcionar como fonte de informação; deste modo, assiste-se a um nivelamento do jornalista com o leitor; hipertexto, ou seja, a possibilidade de se estabelecerem sucessivamente ligações entre textos e outros registos, o que torna o consumo informativo individualizado; hipermédia, ou seja, a união num único suporte de conteúdos escritos, sonoros e imagéticos, sejam as imagens fixas ou animadas; glocalidade, ou seja, fabrico local mas alcance mundial; personalização, ou seja, a possibilidade de o leitor interagir sobre a forma e o conteúdo do jornal, para consumir unicamente o que quer e como quer, dentro dos condicionalismos do software; os alertas noticiosos, o recebimento de um jornal a la 9icarte, o recebimento de newsletters, etc. podem incluir-se na personalização; instantaneidade, ou seja, a possibilidade de as notícias serem transmitidas no momento em que são finalizadas ou em directo; apetência pela profundidade através da navegabilidade, ou seja, a possibilidade de o utilizador aprofundar a informação consumida navegando pela Internet de site em site e de página em página, usando hiperligações”. (Sousa, Universidade Fernando Pessoa.).