Acordei e tudo indicava que seria um dia como os outros, mas, de repente, lembrei-me que era professor! Conclusão: iria ter tudo menos um dia como o de ontem, mas é claro que existem coisas que não mudam nunca: como o facto dos chatos dos meus super-hiper-mega-re-queridos (como eles dizem) alunos continuarem a oferecer-me todos os dias uma valente dor de cabeça e me fazerem queixas porque A ou B lhes roubou a borracha. Até parece que já estou na escola a ouvir: “Professor, professor o João roubou-me a régua! E eu pergunto: “Mas para que queres tu uma régua? Isto é a aula de Estudo do Meio! “Ah, é… é… é para medir o tempo em que estamos…” Por favor! Será que ainda há algum professor que tem paciência para estes clones dos morangos com açúcar que só sabem dizer: “Tás a ver, tipo, esta cena é marada!” A sério, não me entendam mal, eu adoro ser professor, mas será que eu não sou como as outras pessoas? Não terei direito a uma vida normal?

Contudo, isto não é nada, o pior é quando temos uma aluna do 4º ano a olhar para nós, assim de uma forma muito estranha, e nos diz em inglês: I love you professor! Por favor tirem-me deste filme! Eu com cara de estúpido digo: “O quê?” E ela responde: “Isto também se diz a amiguinhos, não é Sr. Professorzinho? (ao mesmo tempo que fez aquela cara de menina a pestanejar). Ajudem-me a ter uma profissão normal! É claro que depois tenho de ouvir a minha mulher, com ciúmes, a dizer que me atiro às alunas. Sim, porque o meu maior sonho foi sempre que uma “pita” de 10 anos me dissesse isso, para ser mal-entendido e ir parar à prisão acusado de pedofilia! O sonho de qualquer um…

Às vezes nem sei o que é pior: as aulas com miúdos (que eu acho estranhos) ou as “maravilhosas” reuniões de docentes (que não levam a lado nenhum e nos fazem perder tempo). Vá lá que pelo menos não estou a aturar a minha querida e adorada esposa que é psiquiatra. Pior do que ser professor, só mesmo ser professor e marido de um psiquiatra. Parece que estamos sempre a ser analisados. Ela costuma dizer: “Mas usaste a palavra adoro-te em vez de gosto de ti porquê? Já não gostas de mim? Ou apenas me adoras sem gostar? Ou será que adoras, mas não queres demonstrar que gostas?” Hello!!! Qual é a diferença? Não percebo, será que não vai dar ao mesmo? Ela enlouquece-me com tudo isto. O mal é que se fico louco serei tratado por uma pessoa mais louca que é ela.

Então, ainda acham que a vida de um professor é fácil? Claro que deve ser, mas só quando estou a dormir ou quando estou desempregado.

P.S: nem se quer me vou prenunciar sobre a nossa querida ex-ministra da educação, a nossa Milú.