São cerca de mil os caloiros que entraram este ano para a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Ao contrário dos outros anos, este ano todos os alunos têm algo com que se preocupam: a gripe A.

Decorrem durante toda a semana, na biblioteca da UTAD, as matrículas relativamente ao ano lectivo 2009/2010. Todos os alunos demonstram curiosidade e entusiasmo relativamente à vida nesta universidade mas também algumas preocupações. A maior de todas diz respeito à gripe A nas praxes.

Com o início das aulas, começa também a tradição académica relativamente às praxes. Porém este ano, ao contrário dos anteriores, caloiros e doutores tem de estar muito atentos aos sintomas desta gripe. Apesar de as praxes não terem sido suspensas existem algumas preocupações relativamente a este assunto. Mas a maioria dos caloiros defendem que os riscos de contaminação não vão aumentar durante as praxes “Eu acho que é o mesmo que nas outras situações, se formos à missa, também podemos apanhar a gripe A”, explica Cândida Aguiar aluna de economia.

A maioria não tenciona mudar os seus hábitos, nem pensam em faltar às praxes, apenas ter alguns cuidados como é o facto de espirra para o antebraço. Este assunto não os inquieta pois “acho que as pessoas estão a exagerar um bocadinho, é uma gripe como qualquer outra”, tal como refere Gustavo Eduardo caloiro de Genética e biotecnologia.

Apesar de a própria universidade não ter fornecido qualquer informação aos alunos, muitos são os que afirmam que a UTAD tem “ boas instalações, parece que pode conseguir evitar uma possível infecção, por isso não estou nada preocupado com isso” tal com relata João Fernandes, aluno de TIC. Na biblioteca, local onde decorrem as matrículas, muitos forma os desinfectantes disponibilizados aos alunos. Apesar de não terem fornecido informação, os alunos defendem que a televisão e internet já disponibilizaram informação mais que suficiente e que não há qualquer razão para suspender ou faltarem às praxes.